flags

O Programa BCLME

BCLME logoO Programa BCLME foi implementado na região de Benguela entre 2002 e 2008. Tinha como objectivo melhorar as estruturas e capacidades, para que Namíbia, Angola e África do Sul pudessem abordar os problemas ambientais que ocorrem pelos limites nacionais, tendo em conta a gestão do BCLME de forma coordenada e integrada.

O Programa BCLME contara com o financiamento do Fundo Mundial para o Meio Ambiente (GEF), que por sua vez contribuiu com 15,2 milhões de US$, por intermédio do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) à favor da iniciativa regional. O fundos do GEF complementaram um investimento por parte dos três países na ordem dos 16 milhões de dólares norte americanos, e mais US$ 7 milhões provenientes doutras fontes tais como o Programa BENEFIT.

O Programa BCLME ajuntou uma riqueza de conhecimentos acerca do Grande Ecossistema Marinho da Corrente de Benguela. Ao financiar e apoiar 75 projectos e actividades , o Programa BENEFIT foi capaz de edificar uma imagem sobre o estado do Grande Ecossistema Marinho da Corrente de Benguela. Os projectos foram implementados por uma vasta gama de clientes, inclusive instituições governamentais, universidades, consultorias privadas e o programa BENEFIT. Cada projecto foi designado a abordar os problemas ambientais transfronteiriços e contribuir em prol da gestão integrada e sustentável do Grande Ecossistema Marinho da Corrente de Benguela.

A título de exemplo, um dos projectos investigou os impactos cumulativos da exploração diamantífera marinha na Corrente de Benguela, ao passo que o segundo conjunto de projectos avaliou e mapeou a biodiversidade dos ambientes estuarinos, costeiros, neashore e offshore da região.

As pescas constituíram o maior foco do Programa BCLME, não apenas por serem uma fonte vital de alimento e emprego para as populações na povoações, vilas e cidades costeiras, mas sobretudo por serem gravemente afectadas pelas alterações ambientais.

O Programa avaliou igualmente os eventos extremos, em particular o contínuo aquecimento do oceano (denominado de Benguela Niño).

Os conhecimentos gerados pelo Programa BCLME, resultaram no reconhecimento por parte dos Governos de Angola, Namíbia e África do Sul, de que as melhorias em torno de políticas, legislações e práticas de gestão, são necessárias para garantir a sustentabilidade futura das pescas e meio ambiente conexo, no GEM da Corrente de Benguela.